Santa Teresa Verzeri

Fundadora, Bergamo 1801 – 1852

Teresa nasceu em Bergamo, seus pais foram Grumelli e Verzeri, em 1801  é a primeira dos sete filhos de uma família que vive a vida cristã radicalmente. Desde criança demonstrou algumas qualidades de caráter, que serão decisivas para a sua vida futura: temperamento alegre e animado, independente e empreendedor, mas acima de tudo muito reflexivo, ela terá em breve a graça de ser guiado por um sacerdote santo, Monsenhor Giuseppe. Benaglio, que será não apenas seu guia espiritual, mais também o fundador da futura Congregação das Filhas do Sagrado Coração de Jesus.

Na juventude, sente o chamado à vida consagrada e tenta responder entrando no mosteiro beneditino de S. Grata, na cidade alta. A incerteza subjacente que acompanha Teresa está em não saber como segui-lo, como responder a ele, seja na vida de clausura ou na vida apostólica.

Em 8 de fevereiro de 1831, Teresa chegou à cidade de Gromo, no Alto Bergamo, perto da catedral e deu início oficial ao trabalho, que recebeu o nome de Congregação “Filhas do Sagrado Coração de Jesus”. Em pouco tempo, o número de mulheres jovens assistidas aumentou na casa do Gromo. O trabalho se expande nas áreas de Bergamo e Brescia, até chegar, nos anos seguintes, em Lugano, S. Angelo Lodigiano, Darfo, Breno, Trento e Rovereto, Roma e Arpino no Lácio, “Recanati nelle Marche”.  Em toda parte a caridade é transformada em atividades educacionais e assistenciais a serviço dos mais necessitados, numa laboriosidade surpreendente até sua morte em 1852.

Três aspectos da personalidade de Teresa:

– a mulher

– experiência espiritual

– pensamento educacional

A mulher

A iconografia desta mulher determinada e forte leva-a com dois traços muito eloquentes:

– rosto intenso, em que brilham dois olhos penetrantes, que olham para a distância;

– mãos que sustentam um livro, índice de uma mulher acostumada à leitura e escrita, ao pensamento teológico-espiritual de alto perfil doutrinário, acompanhado de sabedoria pedagógica e cultura refinada.

Acostumada à sutileza do pensamento e aos gestos de uma família nobre, Teresa está aberta aos desafios do seu tempo: enfrenta com determinação as dificuldades de sua tarefa de liderança, convencida de que “com Deus nada é difícil” (1835); “O amor por Deus – ela diz – supera todos os obstáculos e supera os medos”.

Corajosa na atitude quotidiana de fazer a vontade de Deus, na experiência beneditina de clausura, sente-se desafiada pela realidade do seu tempo e decide, com o Arcebispo Benaglio, dar vida a uma obra que expressa consagração em dedicação àqueles que manifestaram uma necessidade material e, acima de tudo, espiritual.

Corajosa ao defender sua Congregação nas numerosas dificuldades que surgem na Sociedade, não apenas civis, mas também religiosas, move-se com liberdade até para as Autoridades Eclesiásticas e abre ou redimensiona  as Comunidades Religiosas como bem vê no Senhor.

Ela é uma mulher capaz e responsável, inteligente e autônoma, virtudes que são generosamente reconhecidas, ainda vivas, pelo Papa Gregório XVI.

A experiência espiritual

Teresa é definida por Don Divo Barsotti, como uma “mestra de espiritualidade”. Relembrando como ela se baseia na espiritualidade espanhola do século XVI (Teresa de Ávila, Inácio de Loyola, João de Ávila) e os franceses do século XVII (Francesco di Sales, Giovanna Francesca de Chantal, Vincenzo de ‘Paulo). Dom Divo enfatiza como Teresa constrói uma vida em que o amor a Deus e o amor pelos irmãos estão tão profundamente entrelaçados que se torna irmã e mãe para todos: “mãe” porque  faz seus os problema dos outros; “mãe” porque sabe escutar as vozes dos irmãos do seu tempo e aqueles que dela se aproximam.

Mestra do espírito do Instituto, caracterizada pelo fogo do amor de onde se nutre continuamente. Teresa conduz e reconduz tudo e todos ao Coração de Jesus. Por quê precisamente o Coração?

Biblicamente a palavra coração diz a profundidade, a intimidade da pessoa, um lugar onde todos os sentimentos da pessoa nascem. No Coração de Jesus, o amor nasce e se expressa ao Pai, a si mesmo e a seus irmãos e irmãs. Para esta fonte inesgotável, as Filhas do Sagrado Coração de Jesus são convidadas a desenhar “a caridade exemplar” para dar um presente a um mundo que vive em muitos aspectos sem amor. Sugere uma das irmãs:

– a mais pura caridade que “não tem visão senão para a glória de Deus”

– caridade universal que “não exclui uma pessoa, mas abraça a todos”

– caridade generosa que de nada “se espanta diante da adversidade”.

Pessoalmente, Teresa acolhe de Deus uma prova interior muito difícil que São João Paulo II definiu no dia da canonização da seguinte maneira: “Para ela, Deus se revelou como uma presença misteriosa diante da qual devemos nos curvar com profunda humildade. … Entregando-se à ação do Espírito, Teresa viveu a experiência mística particular “da ausência de Deus”. Somente uma fé inabalável impediu-a de perder a confiança neste Pai misericordioso e providente, que a pôs à prova. “Nos escritos espirituais deixados à Congregação ele transborda as riquezas misteriosas de sua alma e sua experiência como luz para seguir a graça, onde Deus quer.

Pensamento educacional

Teresa considera a missão apostólica e em particular o aspecto educativo-formativo como um “ministério muito alto e divino”, por isso seu ensino pedagógico brota da visão cristã da vida, no exercício cotidiano da fé, esperança e caridade e organizado no método. preventiva descrita no Livro dos Deveres (1844) em que a pessoa é ajudada em seu crescimento levando em conta seu caminho particular e pessoal, em direção àquele projeto de maravilhamento que o Criador pensou por ela, dando-lhes “presentes de natureza e graça” e antecipando uma visão integral e moderna da educação

O contato com as necessidades que sua peregrinação da caridade alcança em vários lugares na Itália, encoraja Teresa e suas companheiras a iniciar novas iniciativas e estratégias para resolver as situações trágicas de menores (órfãos) e até adultos (soldados feridos ou morrendo), no sofrimento material, moral e afetivo devido às conseqüências das guerras e da miséria do início do século XIX.

Os três elementos norteadores para o educador:

  • “persuadir os jovens de que nada é pior que o egoísmo”
  • “deixe-os escapar da ociosidade e do amor labuta”
  • “dê a mão ao interior”

linhas que sublinham como o amor, a laboriosidade e os valores interiores são os pilares de uma vida construída, capazes de gerar serenidade para si e para os outros.

A atenção de Teresa é particularmente voltada para a figura do educador, que deseja como testemunha antes de ser professor de valores humanos e cristãos: não é educado com palavras, é educado com o exemplo de uma vida vivida; educa amando, pois conta o estilo da pessoa.

Ao educar “não se deve partir dos pés mas da cabeça”, percebendo-se com grande novidade para o seu tempo que educação e cultura não são um acessório acessório, mas “ferramentas” necessárias de libertação e progresso para a mulher que vai preparado como uma criança para dar o melhor de si na vida. “Cultive a mente e o coração” de suas jovens mulheres, isto é, cuide da educação integral, do crescimento interior, da educação dos sentimentos e da vontade, para que os jovens e os jovens possam alcançar plenamente sua identidade. “Formate” – diz ele – pessoas “livres, largas e soltas”.

Teresa Verzeri, em sua experiência de promoção e evangelização humana, era uma mulher multifacetada: forte e terna, dinâmica e contemplativa, enraizada na tradição e aberta à modernidade, capaz de combinar as diferentes riquezas da existência feminina e acima de tudo falar até hoje para jovens, educadores, consagrados, à família, a todos.

O patrimônio que ela deixou para a Congregação é agora compartilhado na Europa, América, Ásia e África pelos religiosos e leigos que, em vários níveis, tornam possível esse modelo de dedicação evangélica e testemunho confiável àqueles que colocaram a caridade como primazia própria vida.

Português